Geração Z: geração de “idiotas digitais” ou “inteligentes e revolucionários”

Geração Z: geração de “idiotas digitais” ou “inteligentes e revolucionários”

Nossos pais já diziam que não deveríamos confiar na “Internet”, que ela era perigosa e que não poderíamos jamais acreditar em qualquer pessoa nesse meio virtual, mas não irei falar da humilde educação que nossos pais tentam nos passar, mas sim da geração Z.

A teoria mais aceita por estudiosos é que a geração Z (geração de pessoas nascidas por volta de 1995 até 2010), surgiu como concepção para suceder a Geração Y (geração de pessoas nascidas em 1980 até meados da década de 1990).

A minha geração é a Y, onde as brincadeiras de antigamente eram muito mais naturais e divertidas, como: brincar de esconde-esconde, polícia e ladrão, empinar pipa, jogar bola na rua, jogar pião, bolinha de gude, jogar baralho, etc, elas exigiam muito mais contato físico e as pessoas aprendiam a se socializar muito mais rápido, bons tempos aqueles, sem internet e celulares.

Daí veio a geração Z, constituída pelas pessoas que nasceram durante o advento da internet, do crescimento das novas tecnologias digitais, como smartphones, videogames de última geração e computadores mais velozes, por exemplo.

As pessoas da geração Z já não conseguem imaginar viver num mundo onde todas as coisas não estejam conectadas num ambiente online, e com troca instantânea de informações.

Além do domínio incontestável da tecnologia, elas também são conhecidas por serem autodidatas, mais críticas, exigentes, e reconhecidas por não gostarem de seguir hierarquias, com esses atributos, elas são consideradas “inteligentes e revolucionários”.

Mas o outro lado da moeda revela que as pessoas da geração Z, são verdadeiras “idiotas digitais”, com suas brincadeiras, jogos e desafios (desafio do fogo, desodorante, preservativo na cabeça, comer amoeba, e outros) o que tem influenciado, principalmente as crianças da próxima geração a se machucar ou até vir a falecer, como o caso de Adrielly, de 7 anos, que colocou desodorante na boca estimulada por vídeo.

Postei essa matéria a fim de conscientizar os pais, para que não deixem seus filhos principalmente, os pequenos, seguirem esses “idiotas digitais”, mas sei que é muito difícil controlar o que eles veem na internet, falo por experiência, tenho duas filhas pequenas, e a maior arma nesse caso acredito que é uma boa orientação, por isso que “a educação é a principal arma para o futuro”.

Geração Z: geração de “idiotas digitais” ou “inteligentes e revolucionários”

Geração Z: geração de “idiotas digitais” ou “inteligentes e revolucionários”
2018-02-08T17:26:03+00:00
2018-02-08T17:29:23+00:00
Vinicius S.

Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *